quarta-feira, maio 11, 2011

janelas de vida


Fontanelas (Sintra)
Nos arcos da mesma janela, diferentes olhares espreitam a rua.
Há uma criança que deita um olhar de esperança.
Ao lado de um velhote que deixa um olhar de saudade.
Um e outro, lançam o seu olhar muito para além do adro da capela de Nossa Senhora.
Um antevê o futuro que ele deseja conhecer o mais breve possível. Que pode ser já amanhã.
Outro revê o passado que sente cada dia mais distante, mais apagado na memória do povo.
É assim mesmo a vida... feita de memórias e lembranças do tempo que vai mudando.

«Lembro a casa passo
o teatro verdadeiro,
com Amélia Rey Colaço
e seu esposo Robles Monteiro»


(quadra do poeta popular José Valentim, gravada na lápide que assinala a casa de férias, de Fontanelas, do famoso casal do teatro português)

Sem comentários:

Amanhecer DLVII

ALMEIDA A luminosidade do sol rasante invadindo o corredor de uma das portas indefesas da Fortaleza. Daqui nada, reúne a comitiva no &qu...