quinta-feira, novembro 03, 2011

o Abraço



Abraça-me. Veste o meu corpo de ti, para que em ti eu possa buscar o sentido dos sentidos, o sentido da vida.
Procura-me com os teus antigos braços de criança, para desamarrar em mim a eternidade, essa soma formidável de todos os momentos livres que a um e a outro pertenceram.
Abraça-me. Quero morrer de ti em mim, espantado de amor.
Abraça-me. Uma vez só. Uma vez mais.
Uma vez que nem sei se tu existes.


(Joaquim Pessoa, in "Ano Comum")

1 comentário:

Maria disse...

Bicho
Bela foto, belo texto, digno de quem o escreveu. Gosto muito do Joaquim Pessoa.
Abraço grande
Maria

A Fonte 672

Figueira de Castelo Rodrigo Na beira do caminho, junto ao Convento de Aguiar, base da encosta onde se encontra o que resta das muralhas ...