terça-feira, agosto 22, 2006

Poema do dia II



O mínimo de nós dois

No pequeno espaço
entre teu olhar e o meu
brilha a estrela do desejo
que nos guia um para o outro

Na ausente distância
entre teus lábios e os meus
brincam e fundem-se as hormonas
da nossa química mais secreta

No mínimo silêncio
onde somente nossos corpos falam
deslizam mãos em carícias
de tactos cegos que tudo dizem

No fugaz e eterno momento
da consumação de nosso amor
gritam gargantas no gozo do prazer
da quase dor desse explodir...

(Camila Sintra)

2 comentários:

Anónimo disse...

Deves de estar mesmo perdido de amores, nessa idade é super perigoso,pois que dão mais fortes e normalmente não são correspondidos.A vida é assim quando somos novos todos nos querem, na nossa idade é complicado arranjar quem nos compreenda tornamo-nos chatos com os nossos problemas e falta de saúde.Acho que esta última é o caminho certo para a felicidade pois sem saúde somos uma merda.
beijinhos daMARIA

O Bicho disse...

Bem verdade, Maria.
Continuo na mesma, com a mesma, estou perdido, apaixonadao e assim a modos que, desprezado, pela mesma.
Que se lixe isto tudo!

Amanhecer DLVIII

COVILHÃ Correndo pelo vale do alto Zêzere Já chegámos? O quê! Ainda não? Então vou dormir mais um bocadinho...