quarta-feira, fevereiro 28, 2007

a Fonte 67a


Fonte Mourisca, 1922, Vila de Sintra

Dificuldade



Barreiras, obstáculos, atravessam o caminho;
perigos, ameaças, apertam o percurso;
em cada dia é maior a dificuldade;
avançar, progredir é muito complicado;
recuar, regressar não é mais solução;
a memória já mal responde à recordação;
parado, quieto, mudo e quedo, seco;
imóvel, como uma amiba fora de água;
sensibildade congelada, pensamento desligado;
a deixar o tempo escorrer:

- E o tempo, passa;
e a vida, passa!

terça-feira, fevereiro 27, 2007

Marasmo


Estou calmo, mas não tranquilo.
É aparente, a auréola de quietude que me rodeia.
Há qualquer coisa em agitação permanente, às voltas cá por dentro.
Estou num desassossego indescritível, sinto uma angústia que não quero explicar.
Não mostro outra coisa que não seja apatia.
Calmo, mas tenso.
Tão ansioso que nem sinto o que penso.

a Fonte 67


Bacia da Fonte da Vila - Sintra

sábado, fevereiro 24, 2007

sexta-feira, fevereiro 23, 2007

Nas Rodas do Outro Tempo


Se és um bom amigo,
entra que a casa é tua.
Se não és também te digo,
É bem melhor ficares na rua!
(diz a Laurinha)

Homenagem


Verdes são os campos
Da cor de limão:
Assim são os olhos
Do meu coração.

Campo, que te estendes
Com verdura bela;
Ovelhas, que nela
Vosso pasto tendes,

De erva vos mantendes
Que traz o Verão,
E eu das lembranças
Do meu coração

Isso que comeis
Não são ervas, não:
São graças dos olhos
Do meu coração

(Estátua de Zeca Afonso, no Parque Central da Cidade da Amadora)

quarta-feira, fevereiro 21, 2007

meia porta



Estou a meio,
meia porta,
porta aberta

Estava aqui a pensar,

tenho que me decidir;
não sei se vou entrar,
ou porventura sair?

a Fonte 66


Azenhas do Mar - Sintra

Santo António com o Menino;
num painel de azulejo;
uma torneira na parede;
uma bacia de pedra;

domingo, fevereiro 18, 2007

no Adro



Logo ali, no adro da igreja, em saindo da missa,
dizia ele, baixinho ao ouvido da moça ladina:

Ê vi-te ontem no quintal!
Estavas colhendo hortelã.
Ê cá, gosto de ti,
E tu? Hãããã???

sábado, fevereiro 17, 2007

Amanhecer LVIII


O sol agora, pode entrar à vontade,
por onde já entrou a chuva e ofrio.
A recuperação é muito difícil, para
estas ruínas na Vila de Colares.
Também já, para mim, é complicada,
a recuperação...

sexta-feira, fevereiro 16, 2007

a Fonte 65


Não tem estilo nenhum, nada de especial;
não está bem conservada, mas não faz mal;
não corre água, mas também não faz falta.
Fica num recanto da Vila de Sintra,
atrás de uma Casa de Cantoneiros,
muito perto do local onde sobrevive,
à custa, uma coisa famosa e asquerosa:
a drag queen de Sto. António dos Cavaleiros,
que graças a uma figura do Jete Sete nacional,
(ligada à Porcalhota e a Caneças, por sinal)
foi elevado(a) a Conde, o(a) José Castelo Branco.

Vista daqui 20


Ainda agora, o Sol, com toda a cor,
logo depois, uma carga de água,
a seguir, a uma trovoada,
pelo ceu carregado,
passa um vento de rajada,
mais um bocadinho e,
parece que não foi nada:
Magnífico Sol em ceu azul.

quinta-feira, fevereiro 15, 2007

a Fonte 64


Situado num ponto turístico por excelência.
Uma das principais "portas" de acesso a Lisboa antiga.
Um local quase obrigatório para entrar ou sair de Alfama.
Não haja dúvida - que bom aspecto!

O Chafariz de Dentro, muito mal conservado, por fora.

a Ponta


Porque hoje é Quinta-feira.

quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Vista daqui 10



Mangona, um nome que ficava bem a este gato (ou gata) que como tantos outros bichanos tipicamente alfacinhas (ou alentejanos) faz questão de de nos dedicar um desprezo total, gozando a sua indolência, lazeira, preguiça.

Felino vadio, indiferente aos humanos que apreciam a magnífica vista daqui, sobre a cidade, sentados numa bela esplanada da Costa do Castelo (bem perto do Chapitô) na calmaria duma tarde quase domingueira, isolados do báratro do trânsito da Baixa.

Aqui mesmo por baixo do gradeamento, nas Escadinhas de S. Crispim, um Pintassilgo saltita dentro duma gaiola pendurada na parede do lado de fora da janela.
A mangona do gato (gata) é só fachada, quer dizer, é só por fora, p'rá fotografia, porque lá por dentro, todos os sistemas estão preparados para o salto - aqueles olhilhos, não enganam ninguém, fixam a gaiola, acompanhando todos os movimentos do passarinho, à espera de... enfim, nunca se sabe, a terra por vezes treme, as paredes abanam.

a Fonte 63


Para mim, foi uma espécie de Fonte dos Amores.

O Chafariz na Rua das Janelas Verdes - Lisboa.
Não sei (ainda) como se chama ou que figuras estão nele representadas.
Nunca pensei nisso, quando andava por ali, em redor, já lá vão... uns quantos anos.
O meu olhar, o meu pensamento, pousavam noutras figuras, nesse tempo.
Nem tão pouco me recordo se ele deitava água ou não.

Fica bem aqui, neste dia que resolveram dedicar aos Enamorados.

terça-feira, fevereiro 13, 2007

Vista daqui 9


Nevoeiro, lá fora.
Onde? Não sei, não se vê quase nada.
Parece que, nem sei onde é que estou, aqui na minha janela.
Estranha tarde, em que o ar é denso, espesso, quase opaco.

Lá ao longe, não se vê o horizonte - sem horizonte, não há futuro.
Lá em baixo, não se vê o chão - sem chão, ficamos inseguros.
Lá em cima, não se vê o ceu - sem o ceu, a vida é um inferno.


Com este nevoeiro, parece que tudo parou - o ar, o tempo, até a vida.
Sem futuro, sem terra, sem esperança - desta maneira, não estou vivo.

as ajudas


Bom, parece que, vamos recorrer à ajuda estes dois grandes guindastes para conseguir fazer levantar O Bicho lá do fundo do abismo;

bem fundo, desta vez, o precipício, onde se deixou cair;
e ninguém sequer imagina, o quanto, lhe tem custado;
a energia gasta, em actividades, para disfarçar esse estado;
- porque?

porque estava muito distraído e o empurraram;
quando os encontrões vêm de onde menos se espera, é mais complicado;
quando alguém de quem a gente gosta, nos manda pela ribanceira abaixo...

segunda-feira, fevereiro 12, 2007

a Fonte 61a


- Pronto? Vamos, Mano, AGORA FORÇA!!!
- Estamos decididos a tirar OBicho Pai do poço.
- Desta vez, Miama, ele está muito lá em baixo.
- Pois, UFA! Foi mesmo até lá ao fundo.
- E custa muito a subir. Pesa que se farta!
- É verdade, Bilo, quanto mais velho pior.
- O quê? Os velhos ficam cada vez mais pesados?
- Não é bem assim. As quedas são mais perigosas nos mais velhos.
- Ah! E depois também custam cada vez mais a levantar-se.
- Ora aí está, percebeste - é a falta de força... de vontade.
- É isso. Eles acabam por não ajudar, a quem os quer levantar.

arrumar ideias


Diz-me um amigo:
- "Por vezes há que fazer uma pausa para arrumar as ideias, antes de continuar..."
E eu a matutar:
- "Ando há 58 anos a tentar arrumar as idéias e ainda nem consegui, pelo menos, arranjar maneira de não tropeçar nas tralhas que vou amontoando na despensa, temporariamente, antes de as mandar, em definitivo, para o lixo."

domingo, fevereiro 11, 2007

a Fonte 61


- Ummm, não sei, achas que vamos conseguir?
- Bora lá, maninha, não se perde nada em tentar!
- Isso é verdade, mano, mas a coisa está bem difícil.
- Então? Dizem-me sempre que só é preciso, força e vontade!
- Pois aí é que está, o problema é mais esse - força de vontade.
- Não percebo, mas não interessa, vamos experimentar!!!
- Vamos, nós os dois conseguimos tirar o Pai do fundo do poço.

Vista daqui 8


A depressão.
A solidão.
A depressão que se disfarsa na solidão.
A solidão que acentua a depressão.
A solidão que paira por cima da minha rua - às cinco da manhã - no nevoeiro denso.
A depressão que me faz ver as sombras da noite - às cinco da manhã - sozinho, acordado.
E a depressão entra pela minha solidão a dentro e faz-me gelar o pensamento.
E sinto o frio da madrugada, que transborda dos meus tristes sentimentos, para a rua.
E o frio, reflectido na parede de nevoeiro, da rua deserta, entra pelas janelas da alma.
Queria só fechar os olhos e dormir sem sonhar; e daqui a nada acordar; e tudo encontrar diferente.
Ah, como eu queria aprender a ser gente...

de mal a pior


e quando eu pensava:

- Já bati no fundo, agora é sempre a subir!
Eis que, chega alguém que me... empurra lá para baixo.

sábado, fevereiro 10, 2007

a Fonte 60


Esta é na Buraca.

Aqui mesmo ao pé, toda a gente conhece, o "David da Buraca" e o "Manel dos Tachos".
Se não conhecem, ainda estão a tempo. Mas é preciso dizer, que longe vão os tempos em eram pequenas tascas que serviam, apenas ao almoço, uns quantos clientes apreciadores da boa comida.
Hoje, são grandes restaurantes, com cozinhas industriais, preparadas para atender muita gente, muitas famílias de uma vez.
Já ouviram dizer que "a quantidade é inimiga da qualidade".

Amanhecer LVII


Esta manhã, ao ver o dia levantar, sobre a várzea de Colares,
não sei porquê, lembrei-me, de um reconhecido poeta alentejano:

Perdi a minha caneta
Lá em baixo na várzea.
Se lá fores e a vires,
Faxavor, - trázea!


(dizia ele)

sexta-feira, fevereiro 09, 2007

uma rapariga


A uma rapariga


Abre os olhos e encara a vida! A sina
Tem que cumprir-se! Alarga os horizontes!
Por sobre lamaçais alteia pontes
Com tuas mãos preciosas de menina.

Nessa estrada de vida que fascina
Caminha sempre em frente, além dos montes!
Morde os frutos a rir! Bebe nas fontes!
Beija aqueles que a sorte te destina!

Trata por tu a mais longínqua estrela,
Escava com as mãos a própria cova
E depois, a sorrir, deita-te nela!

Que as mãos da terra façam, com amor,
Da graça do teu corpo, esguia e nova,
Surgir à luz a haste de uma flor!...


(o melhor de, Florbela Espanca)

Fado Portugal


O Fado nasceu um dia,
quando o vento mal bulia
e o céu o mar prolongava,
na amurada dum veleiro,
no peito dum marinheiro
que, estando triste, cantava.

Ai, que lindeza tamanha,
meu chão , meu monte, meu vale,
de folhas, flores, frutas de ouro,
vê se vês terras de Espanha,
areias de Portugal,
olhar ceguinho de choro.

(José Régio)

quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Vista daqui 7


Cheguei a casa tarde e a más horas.
De madrugada, já são quatro e tal.
..
Fui à janela para olhar a lua
e pasmei, apreciando o luar.
e cortando o silêncio da rua,
um melro resolveu chilrear.
Eu ouvi um passarinho
às quatro da madrugada
cantando lindas cantigas
à porta da minha amada.

Por ouvir cantar tão bem
a minha amada chorou...
Às quatro da madrugada
um passarinho cantou.

(moda alentejana)

a Fonte 59


Quando fores ao Alentejo,
Não bebas água desta fonte.
Mas podes apanhar o poejo,
que cresce á solta pelo monte.

(Montemor, Alentejo)

Vista daqui 6


O aparecimento do sol, naquela manhã, exibindo todas as suas cores no fundo escuro do ceu, prometia chuvinha, da boa, para todo dia.
E ela veio, tarde, no início da tarde.
E veio para ficar até tarde, até noite, noite dentro.

quarta-feira, fevereiro 07, 2007

a Fonte 58


Chafariz de Massamá (OP 1863)

Terra cujo nome, de origem árabe, significa
lugar onde existem boas águas ou nascentes.
Esta fonte é uma de duas que ainda existem
do antigo manacial aquífero que servia a toda
a actividade da Fábrica da Pólvora de Barcarena.

autoretrato 16



Olha eu, era assim, ainda não há muito tempo,
apenas há dois anos, o que é isso, dois anos, um nada,
um lapso de tempo, não sabemos o que é, o tempo,
se calhar até nem existe, o tempo, é invenção,
é um relógio, é um calendário, é a Primavera,
é o Verão, a maré-baixa, o regreso, a despedida,
o adeus, talvez nunca mais, veremos,
existo... ou talvez não,
mas há mais marés que marinheiros,
esperamos, somos todos esperança, o que mais?



Somos tudo e mais alguma coisa e, simultaneamente,
nada, mesmo nada, não mais do que um relâmpago.


Quem o diz - alguma coisa que ainda sou eu.
Não sei por quanto tempo?
Mas, também acho que inguém sabe,
(nem mesmo a minha prima Maya)
por muito que muita gente gostasse.
Uma coisa eu sei:

estou à beira do nada, na borda do buraco sem fim,
num equilíbrio que não tem razão de existir.
Já devia ter caído, não sei porque ainda não?
Quem me sustém:
quem eu gosto, muito,
às vezes, até mesmo eu.
Quem me empurra:
quem eu quero, muito,
preferia até, não ser eu.



Vou ficar por aqui, por agora...
queria dizer mais, muito mais!!!
Depois.
Agora, vou reencontrar um amigo,
um daqueles de sempre, bem antigo.
Por isso (com licença, desculpem lá),
mas vamos fechar aqui, este postigo.

segunda-feira, fevereiro 05, 2007

Vista daqui 5


Não quero ver o pôr-do-sol
fecho a cortina e recolho à penumbra
imagino,
hoje estará um fim da tarde sensacional
com aquelas cores mais quentes co sei lá,
na Praia de Algés, na barra da Cruz Quebrada,
na foz do Tejo ou mais p'ra lá, noutra Praia mais ocidental.

Há quanto tempo, não dou um passeio à beira-mar?
Há quantos dias, não respiro um ar fresco, livre de fumos?
Quando foi a última vez que ouvi o marulhar das ondas,
que aspirei o ar que sai de dentro das bolhas da espuma,
rebentando como bolas de sabão, ao tocar na areia,
libertando o cheiro forte, saturado de iodo e sal,
fervilhando... de saudades de mar.

sábado, fevereiro 03, 2007

Amanhecer LVI


Uma luminosa manhã de Primavera em Colares.
Só agora reparei que falta o sino
no campanário da Escola Primária.
(roubadram a sineta ?)

sexta-feira, fevereiro 02, 2007

Poeta Alentejano


Subi acima duma árvori
Para ver se te via.
Como nã te vi,
Desci-a.

Trepei a um êcalitro,
Com tê retrato na mão.
Desencalitrê-me lá de cima,
Malhê com os cornos no chão.

(poesia popular)

quinta-feira, fevereiro 01, 2007

a Fonte 57


Hoje, um auêntico desgosto esta,
que já foi a "Fonte dos Amores",
no tempo em que, o jardim público
onde ela se encontra, em Massamá,
era ainda uma Quinta de família,
do ex-general António de Spínola.

Inventar o amor (2)



Eu diria, "Reinventar o Amor", é preciso com caracter de urgência.

Em letras enormes do tamanho
do medo da solidão da angústia
um cartaz denuncia que um homem e uma mulher
se encontraram num bar de hotel
numa tarde de chuva
entre zunidos de conversa
e inventaram o amor com caracter de urgência
deixando cair dos ombros o fardo incómodo da monotonia quotidiana

Um homem e uma mulher que tinham olhos e coração e fome de ternura
e souberam entender-se sem palavras inúteis
Apenas o silêncio A descoberta A estranheza
de um sorriso natural e inesperado..

(Daniel Filipe)

O Santo Incomum

Igreja Nossa da Lapa (ARCOS DE VALDEVEZ) O templo setecentista, exemplo de arquitectura religiosa no estilo barroco, tem uma incomum p...